CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE USO DO CINTO E DISPOSITIVO DE RETENÇÃO INFANTIL (CADEIRINHA)

CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE USO DO CINTO E DISPOSITIVO DE RETENÇÃO INFANTIL (CADEIRINHA)

CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE USO DO CINTO E DISPOSITIVO DE RETENÇÃO INFANTIL (CADEIRINHA)

O uso das cadeirinhas de segurança para as crianças tem um único objetivo: proteger a vida dos pequenos em caso de acidente. Não colocar a criança em uma cadeirinha ou assento elevado ou deixar de prender o cinto de forma correta no carro aumenta o risco de morte em caso de acidente. A afirmação parece banal, mas nem todos os pais se atentam à segurança do filho quando vão viajar ou apenas dirigir pela cidade. É importante lembrar que: se a criança, no momento do acidente, for ejetada do veículo, o risco de uma fatalidade ou de lesões consideradas graves chega a 75%.

Veja as regras para o transporte de crianças:

As crianças menores de dez anos devem ser transportadas no banco traseiro dos veículos utilizando equipamentos de retenção. No caso da quantidade de crianças com idade inferior a dez anos exceder a capacidade de lotação do banco traseiro é permitido o transporte da criança de maior estatura no banco dianteiro, desde que utilize o dispositivo de retenção. No caso de veículos que possuem somente banco dianteiro também é permitido o transporte de crianças de até dez anos de idade utilizando sempre o dispositivo de retenção.

Para o transporte de crianças no banco dianteiro de veículos que possuem dispositivo suplementar de retenção (airbag), o equipamento de retenção de criança deve ser utilizado no sentido da marcha do veículo. Neste caso, o equipamento de retenção de criança não poderá possuir badejas ou acessórios equivalentes e o banco deverá ser ajustado em sua última posição de recuo, exceto no caso de indicação específica do fabricante do veículo.

No caso de motocicletas, motonetas e ciclomotores o Código de Trânsito Brasileiro estabelece no artigo 244, inciso V, que somente poderão ser transportadas nestes veículos crianças a partir de sete anos de idade e que possuam condições de cuidar de sua própria segurança.